domingo, 16 de março de 2014

Quero um frio na barriga.
Quero levantar meus pés como num passo de bailarina e ir chegando, aos poucos, mais em cima, quase no alto, estendendo minhas mãos na tentativa de alcançar os céus.
E quero alguém que me ajude a, quando eu estiver na pontinha do último dedo, me levantar um pouquinho mais para que eles deixem de tocar o chão.
Que seja por alguns segundos.
Que seja por alguns minutos.
Que seja por uma vida inteira.

"O amor é um precipício, a gente se joga nele e reza
para o chão nunca chegar."
(Lisbela e o Prisioneiro)