quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Sobre quando eu não quis mais saber de Deus

Ou sobre todas as vezes que eu não quis mais saber dEle... Porque foram várias, meu querido amigo.
Como eu já fiquei irada e chateada com Deus... Como eu já reclamei que Ele não cuidava de mim e que tudo que Ele tinha dito antes era mentira...
Parecia até típica cena de novela quando a mocinha se sente traída e começa a quebrar os vasos de vidro na parede que está mais próxima daquele que a magoou.
Só que a mocinha não sabia que, na verdade, o mocinho não tinha feito nada de errado e que ela só estava acreditando em mentiras do vilão.
Tadinho do mocinho, ficava o tempo todo lá encostado na mesma parede que ela tinha arremessado todos os vidros, só esperando o momento em que ele pudesse se explicar.
Pausa para os comerciais: Mas mesmo assim, soltar essa angústia foi muito bom para a mocinha, porque pelo menos ela estava agindo na sinceridade do coração, ela não ia sofrer de rancor eterno desconfiada daquele com quem ela deveria ser íntima.
Voltou a novela: E finalmente ela permitiu que seu amado lhe dirigisse a palavra, o que fez toda a diferença. Eles, então, se abraçam e trocam juras de amor que brotam do mais profundo do coração de cada um dos amantes.
O mais lindo da cena final não é o perdão que ela vai dar à retidão dele, mas a espera paciente que Ele teve para restaurar todo o relacionamento que ela desejava ter quebrado, assim como havia feito com os vasos.

Ele me esperou em cada luta.
Ele me esperou em cada birra e braço cruzado.
Ele me esperou pacientemente em cada lágrima da mentira das minhas próprias conclusões.
Porque Ele me ama.

E viverão felizes para sempre.

"Tu me seduziste, Javé, e eu me deixei seduzir. Foste mais forte do que eu e venceste." (Jer 20, 7)

Nenhum comentário:

Postar um comentário