sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Fui demitida; logo, tomei chá.

É uma relação óbvia, e já eu vou lhe mostrar. Mas antes, me era necessário dizer o quanto eu já tinha desejado escrever esse post, e como esse foi o momento propício de fazê-lo. Pronto, falei. Cheguemos à relação óbvia:
Deus sabe o quanto havia de desejo no meu coração por trabalhar. E consegui; foi uma grande vitória ter dois empregos formidáveis no segundo semestre de 2012. E Deus também sabe o quanto eu me consumi para ver meu trabalho em dois lugares diferentes dando certo. E Deus também sabe o quanto eu secretamente rezava para que dezembro chegasse logo e eu pudesse me desafogar do estresse cotidiano e da tensão das perspectivas do domingo à noite ao refletir sobre toda uma semana desgastante. E agora você também sabe. 
Me consumi. Deus sabe, e agora você também, que muitas vezes eu chorei de exaustão nas capelas que me eram próximas (por providência) e como, no fim do dia, era somente eu e Ele, e só eu e Ele vivíamos juntos e passávamos os dias juntos. Não tinha espaço para ninguém mais porque não tinha tempo para ninguém mais entrar profundamente na minha vida e dividi-la para que fosse e produzisse fruto. Mas tinha Ele, e nesse tempo Ele me bastou (e ainda me basta, porém com uma pedagogia diferenciada).
Calma, que a relação com o chá já está chegando.
Esse foi um tempo muito frutífero em relação ao meu amadurecimento financeiro e profissional, mas foi um esverdeamento na esfera do ser para o outro espiritualmente. Então Deus decidiu que precisava fazer o inverso em mim. O contrato com um lugar chegou ao fim; a demissão de um outro lugar teve início. Estado de choque por dois dias. Ressuscitei no terceiro.
Não se preocupe com a força da palavra "ressuscitei", na verdade ela foi empregada propositalmente porque, como seres humanos filhos de Deus, passamos por pequenas ressurreições ao longo da vida que nos preparam para a grande ressurreição no final dela. Essa foi só mais uma.
E nessa ressurreição de olhar para uma nova vida e um novo tempo e umas novas possibilidades, eu sentei e tomei um chá. Na verdade, fiz uma festa com chá. Sim, senhor, uma festa com chá - foi minha comemoração de aniversário, um chá da tarde. Ah, tomei chá de morango, chá verde com maracujá, chá de hortelã... E não tomei sozinha, meus amigos estavam ao meu lado e compartilhavam da mesma experiência prazerosa. Há quanto tempo eu não fazia isso...
Além do chá, também fui ao cinema, fui à missa, fui falar da minha vida. E eu não estava mais sozinha, só eu e Ele. Eu estava eu e Ele e com meus amigos.
E que venham os novos tempos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário