segunda-feira, 22 de julho de 2013

Sobre o começo do extraordinário

Foi assim:
Perdi o controle da situação;
Fiquei tonta;
Senti meu pulsar mais forte;
Silenciei;
Prestei atenção nos detalhes -
Existe um algo misterioso guardado na sensação de extraordinário que já começou -;
E assim permaneço com uma voz no fundinho da alma dizendo baixinho que a hora é agora sem ter me consultado para ver se havia espaço na agenda mas que me roubou para fora de mim assim sem pontuação mesmo porque nem esse tempo ela quis me dar.
Não pausou, fluiu.

E agora, eu?
Vai-se com uma coragem moleque de quem está prestes a descobrir o segredo do infinito trancado em caixinhas de surpresa espalhadas pelas vielas dos dias a serem percorridos.
Não se corre aqui, se passeia.