terça-feira, 25 de junho de 2013

Sobre coisas extraordinárias

Se você soubesse que em algum momento algo de grandioso, mas muito grandioso, iria acontecer na sua vida, como você se prepararia? Às vezes nós não recebemos as coisas grandiosas que esperamos porque não nos preparamos para recebê-las. Ou pior do que isso, nós as recebemos, mas não valorizamos sua grandiosidade por falta de preparação para essa percepção.

Acredito que algo fantástico que ainda conservamos na nossa cultura é o dia da noiva. O auge da data está no momento da celebração do matrimônio, certo? E para que a noiva "dê conta do recado", ela passa o dia inteiro em preparação para esse momento. Ela pinta as unhas, faz massagem, toma banho relaxante, arruma cabelo e maquiagem; tudo para que ela esteja impecável na hora da celebração. Ela se prepara para o extraordinário.

Agora imagina se ela não faz isso tudo... Se ela não faz cabelo, maquiagem e unhas; se ela usa qualquer vestido; se toma banho de 5 minutos... Aquilo que deveria ser extraordinário na sua vida se tornaria mais um dia qualquer, somente mais um ordinário no montante de outras coisas simplesmente comuns e cotidianas. O extraordinário perderia o seu valor.

E por mais tolo que esse exemplo possa ser, ele é muito real na cultura apressada em que vivemos. Muitas vezes rezamos por algo, temos anseios vindos do fundo do coração que fazem parte da vontade de Deus... (Pausa para explicação: Creio que Deus não coloca desejos no nosso coração que Ele já não queira preencher, mas é necessário notar que nem todo desejo que há no coração deve ser vindo de Deus. Existem muitos desejos que são frutos tanto da concupiscência como do nosso próprio orgulho. É preciso discernir em oração se o anseio do coração também faz parte do coração de Deus.) Enfim, desejamos algo que Deus já deseja nos dar, mas não fazemos do tempo de espera esse "dia de noiva" e ficamos despreparados de tal maneira que não vemos o extraordinário passar, ou ele nem consegue chegar...

C.S.Lewis, em As Crônicas de Nárnia, diz: "coisas extraordinárias somente acontecem com pessoas extraordinárias."  Acho que não existem pessoas que foram mais predestinadas às coisas extraordinárias que outras. Ao contrário, elas só entenderam que é necessário se tornar extraordinário para alcançar aquilo que elas vão lidar com responsabilidade.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Não é só por 20 centavos. Também é pelo meu tio, que morreu por falta de segurança no Rio de Janeiro.

Se você me dissesse que esses 20 centavos melhorariam as condições de transporte, educariam os motoristas de ônibus e manteriam o veículo seguro, eu pagaria.
Se você me dissesse que 20 centavos trariam meu tio de volta... Desculpa, hipótese impossível. Reitero: se você me dissesse que 20 centavos assegurariam que mais nenhuma família no Brasil iria precisar passar pela dor que a minha família passou, eu não só pagaria os 20 centavos, mas como faria questão de andar de ônibus todos os dias, só para contribuir ainda mais.
Só que esses 20 centavos não vão melhorar os ônibus, não vão trazer paz no trânsito, não vão criar segurança e não vão trazer meu tio de volta.
Meu tio morreu pela falta de segurança no Rio de Janeiro.

Esses 20 centavos provavelmente vão blindar os carros das famílias do meu prefeito, do meu governador e da minha presidente. Provavelmente vão servir de "vaquinha" para as férias remuneradas de algum ministro, ou para a construção de mais um castelo-residência com câmeras de vigilância e proteção armada.

Meu tio morreu pela falta de segurança no Rio de Janeiro.
Depois de um fim de semana de comemorações, churrascos e alegrias, enquanto eu brincava de dançar no meu videogame, minha mãe disse "Mari, desliga isso porque sua tia acabou de ligar dizendo que seu tio foi baleado e está em estado grave." E, então, nada mais foi o mesmo. Entendo que 20 centavos não trarão mais a alegria ao coração da minha tia. Também entendo que 20 centavos não vão retirar todo o trauma da perda trágica de uma das melhores pessoas que eu já conheci na minha mera simples história de vida.
Mas protestar contra o abuso de 20 centavos (e mais) pode limpar muita sujeira que deixou essa tristeza acontecer.
Meu tio morreu pela falta de segurança no Rio de Janeiro.
Acredite, não é só por 20 centavos.
De coração,
Alguém que acredita num Brasil mais justo

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Sobre dia dos namorados, namorar, estar solteiro e esperar

(Devo alarmar que escrevo esse post em situação de coração começando a se desenferrujar depois de um tempo sabático sem reflexões intensas para não lidar com verdades da vida. Talvez não fique tão bom quanto você espera. Talvez fique.)
Dia dos namorados. O mundo (que se entende por Brasil, já que somos nós que celebramos nessa data, porém é o suficiente para chegar no ponto proposto) se divide em duas categorias: aqueles que comemoram e aqueles que são lembrados forçadamente que não comemoram esse dia. Aos dois grupos, eu pergunto:  Para que namorar?
Se o namoro é a finalidade em si, imagino que a pessoa se assemelhe a um turista perdido na Grande São Paulo sem mapa ou GPS. O pobre coitado vai ficar andando em círculos, pode até aproveitar algumas coisas, mas sem saber o que realmente é designado para ele aproveitar, e sem perceber, pode acabar parando numa área de risco. Parece até um pouco óbvio, mas é tão comum ouvir frases como "não existo sem você" e coisas afins, além de promessas a Santo Antônio para acabar com a carência e solidão da vida, que é tenso ter que lidar com o feed de notícias do facebook nessa data...
Mas se a finalidade do namoro é chegar ao Céu, é como se o roteiro turístico já estivesse dado, com todas as dicas do que é bom que se faça e do que é melhor evitar. Assim, as frases se parecerão com "não existimos sem Deus",e os pedidos para Santo Antônio serão para, em tudo,
realizar a vontade do Pai. E se a finalidade é a santidade, a espera faz todo o sentido e se justifica em si, o tempo de ser solteiro se torna um dom, e não um processo de solidão.
Não há ser-humano que sacie carências e salve de solidão. Band-Aid não é remédio, aquilo que esconde a ferida não a cura. Antes de um relacionamento profundo com alguém, que haja um relacionamento profundo com Deus. Tem certas coisas com as quais não se brinca, afetividade e sexualidade estão nesse grupo.
Não há pressa em receber os presentes de Deus, há pressa em multiplicar os dons que Ele já deu. 
#pronto,falei